Lx. Menina e moça…!

Ao folhear a última revista Visão História, senti o peso de 74 anos de recordações, de uma Lisboa que comecei a amar desde a minha pre-adolescência.  Nascido e criado num ambiente de uma pacata cidade da província, tudo me parecia novidade. Os cinemas de estreia. As esplanadas. A Alameda D. Afonso Henriques, ainda em acabamentos … Continuar a ler Lx. Menina e moça…!

O MUNDO DONDE FUGI

Sonhei com um pequeno mundo Quando era pequeno, como esse mundo. Era o meu mundo, tudo pequeno, À distância da mão, à distância de tudo. Ia até ali, vinha de lá até cá, Corria entre árvores e arbustos, De vez em quando caía, mas levantava-me, Era o meu mundo e isso chegava-me. Conhecia gente, todos amigos, … Continuar a ler O MUNDO DONDE FUGI

OPAN

Nos tempos que correm as instituições, nacionais ou estrangeiras, que se dão a conhecer pelas iniciais das palavras que as constituem, dão-nos autênticas dores de cabeça e levam-nos quase até ao precipício da nossa ignorância. Obras há, geralmente de natureza mais técnica, que, como introdução,  apresentam páginas inteiras de abreviaturas codificadas, os chamados acrónimos, sem … Continuar a ler OPAN

MANDELA E OBAMA

  Mandela, se fosse vivo, faria hoje cem anos. Mas mesmo  ausente deixou a todo o mundo uma enorme mensagem de coragem, vitalidade, inteligência e solidariedade que não tem, até agora, encontrado sucessão equivalente.  Mandela fez da História uma nova História e conseguiu realizar na sua África do Sul o sonho de muitos que têm … Continuar a ler MANDELA E OBAMA

UMA VISITA A ÉVORA

No fim de semana de 30/6-1/7 fui novamente a Évora , com grupo de antigos colegas , numa visita cultural/recreativa/gastronómica. Todos conhecemos a bela capital do Alto Alentejo, mas há sempre coisas novas para ver. No meu caso a Universidade de Évora, por dentro, e o Palácio dos Condes de Basto restaurado pela Fundação Eugénio … Continuar a ler UMA VISITA A ÉVORA

Le 14 et le 15 juillet

Quer queiramos ou não,  nenhum de nós ficará indiferente ao 14 de julho francês, relembrando a tomada da Bastilha e revivendo a eterna trilogia da "Liberté, Egalité, Fraternité". Podemos achar que os franceses pecam por "chauvinismo", por um ligeiro preconceito de superioridade e nunca esquecemos as invasões de que fomos vítimas, por parte das tropas … Continuar a ler Le 14 et le 15 juillet