A persistência da infância

Há manhãs em que me enrosco num novelo de veias e terminações nervosas. Como se sentisse a agitação da terra que não sucumbiu à noite. Suores frios de receios infantis são, na manhã, gotículas dormentes sobre o cobertor de papa. Memórias doces atravessam-me os olhos que recuso abrir. As pálpebras como janelas fechadas a querer … Continuar a ler A persistência da infância