Como se se alongassem os braços…

Minhas raízes, tradições. A família. O passado. O mais perto e o mais longe que tenho dentro de mim. Uma bênção e um privilégio. Onde quero e preciso sempre voltar. Cheiros, cores, sentimentos, sensações, baús cheios de recordações. Vivências especiais. Afectos, momentos de humor e descontracção. Sabores e sons. Som ecoado dos relógios, dos risos … Continuar a ler Como se se alongassem os braços…

Ave eterna

Deixo o chão num voo colorido pelas cores que sinto a cada olhar que não encontro. Eu sei, chove. Nada mudou nesta geometria de tempos por reinventar. De tempos de movimentos hilariantes de chamas numa colmeia de ar que encadeia e arde neste lugar de guitarras ancoradas. Viajo num sorriso que habita em mim como … Continuar a ler Ave eterna