Os Tratados de 9 de Maio

É coincidência mas não deixa de ser curioso que o 9 de Maio seja a data comemorativa de dois tratados importantes para Portugal e para a Europa: o Tratado de Windsor de 1386 e a Declaração da União Europeia de 1950.
Portugal,  envolvido nas suas habituais crises sistémicas, sempre teve arte e engenho para se aliar com outros e proteger-se de males maiores.  Nunca o seu povo foi consultado para a consumação desses objetivos o que, no século XIV, não era de admirar. Já no século XX, nos anos 80/90, o assunto é mais discutível e muita gente se indispôs com essa decisão.
O Tratado de Windsor foi celebrado em 1386 por D. João I e Ricardo II de Inglaterra, depois do apoio dos ingleses à Casa de Avis,  na batalha de Aljubarrota contra os espanhóis. Este Tratado foi a continuidade da já existente Aliança Luso-Britânica celebrada em 1373 entre D. Fernando e Eduardo III. É um Tratado que, apesar das contigências dos tempos, se tem mantido em vigor. É considerado o Tratado mais antigo do Mundo e, realmente, nunca houve guerras entre os dois países. Houve fortes desentendimentos que as diplomacias foram conseguindo atenuar. A primeira e segunda guerras mundiais foram disso bons exemplos a que se seguiu o nosso calvário ultramarino relativamente ao qual nem as alianças funcionaram. Quer se goste, quer não,  o certo é que essa Aliança se mantém e é confrontada, agora, com o famoso Brexit.
As alianças e os tratados são normalmente atos de boa fé ou de ocasionalidade política. Mantê-los, depois, é mais difícil do que se teria imaginado de início. A nossa Aliança com a Inglaterra tem sobrevivido a essas intempéries e conjugou-se, nos anos 80 do século XX, com a nossa adesão europeia onde a Grã Bretanha também se encontrava. Não por inteiro, como se sabe, mas constituindo um forte reduto para este audacioso projeto. E aqui chegamos a outro 9 de Maio (agora o de 1950) onde se relembra a Declaração de Robert Schuman para constituição da União Europeia. Um ambicioso projeto imaginado para salvaguarda de valores económicos, sociais e políticos de todos os países ali reunidos. Para o seu desenvolvimento individual e coletivo,  solidário e estratégico a nivel mundial. Uma União Europeia que se foi alargando e que, para Portugal, trouxe indiscutíveis avanços e progresso de vida. Com o tempo e com os incidentes mundiais que conhecemos a boa vontade para com a Europa foi sendo amortecida e, como em tudo na vida, foi sendo posta em causa. As políticas , os interesses, as diferentes maneiras de viver dos diversos países criaram clivagens que, se não forem entendidas, conduzirão à desagregação e ao indesejável regresso aos nacionalismos polarizados. Daí ao aparecimento de confrontos é um passo.
A nossa aliada Grã Bretanha decidiu sair. O famoso Brexit. Outros pronunciamentos semelhantes surgem no horizonte. A questão europeia é fulcral para o futuro próximo e alargado de todos os países da região. O que nos espera? Será que existirão outros “exits”?
É uma boa razão para nos interrogarmos se este tratado europeu terá o fôlego e a longevidade do nosso tratado de 1386. Estas ligações implicam cedências como, aliás, tem acontecido connosco.
Que mais não seja, pela coincidência, este 9 de Maio, também depois da “Macronização” francesa, leva-nos a refletir sobre os eventos em causa. Supomos que cá continuaremos com a nossa aliança inglesa, agora em moldes adaptados, porque é bom que eles não se esqueçam do seu parceiro do sul. Isto da diplomacia é uma carga de trabalhos…
Mas veremos se o 9 de Maio continuará a ser comemorado nas duas instâncias.

2 pensamentos sobre “Os Tratados de 9 de Maio

  1. Os tratados entre os grandes e os pequenos, em geral, são mais favoráveis aos grandes do que aos pequenos. Entre Portugal e a Inglaterra ( o tratado foi depois extensivo ao Reino Unido ) assim foi. Mas não há dúvida que em certos momentos da nossa História a ajuda inglesa foi essencial. Quantos aos tratados da União Europeia, algo ou muito terá de mudar para que Portugal possa beneficiar tanto como outros países do que foi acordado

    Gostar

  2. Tudo muito bem expresso, com a simplicidade necessária de quem sabe contar a história. Pormenores da nossa existência, que se prolonga no arrastar dos tempos. São os eternos incómodos dos Titans, e a acomodação dos liliputianos…! Muito, ainda estará para vir !

    Gostar

Deixe um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s