Os tempos que correm…!

Os dias vão passando, numa voragem louca do tempo, sem que nos apercebamos de que estamos ficando um pouco mais desgastados. Lemos as notícias, vamos às compras, talvez até a um café, mesmo que não tenhamos esse vício do antigamente, e sentamo-nos a apreciar o movimento do bairro ou da cidade, quando ele se situe numa das ruas movimentadas da Baixa. Eu, por mim, sinto o reviver de outros tempos mais despreocupados, nos quais a esperança era uma palavra cheia.

Precisamente neste últimos dias, as notícias, não nos têm deixado sossegados com as esgotantes imagens de uma seca que já nos atinge e se irá agravar, a não ser que os devotos da Santa Milagreira façam as suas preces, rogando por uma pequena tormenta que sacie as terras, já sedentas daquele ouro líquido, habitualmente tão fácil de obter, apenas com a displicência do abrir uma torneira.

Ainda sob o pavor dos incêndios, e a ver o tempo a passar, os Ministérios da Administração Interna e do Ambiente, lançaram um alerta com um desenho explicativo sobre as áreas a proteger, com a obrigação de limpeza de mato e árvores a 50 metros das casas e 100 metros das aldeias, sujeita a pesadas multas por incumprimento. Um pânico tremendo…! Não contrariando totalmente essa deliberação, fiquei preocupado com a razia dos jardins e parques, além de pomares, sempre tão do nosso agrado. A preocupação não tardou a fazer-se ouvir por todos, até que dos Ministérios, começaram a surgir novas explicações. Afinal, dizia só respeito ao mato e algumas outras árvores de fácil ignição. Ainda não se sabe bem quais, mas calcula-se. Foi apenas um susto…!

Não obstante as boas notícias do português suave, que nos vão alimentando a boa disposição, com a diminuição do déficite, compensado pelo aumento do PIB, das Exportações e da diminuição do desemprego, acabamos por continuar descompensados, com todo o rol de notícias brutais, que todos os dias nos enchem os ouvidos e nos cansam os olhos com imagens de crianças a sofrer, no Médio Oriente, pela ignorância e pela cegueira política do homem. Ninguém está bem e ninguém se respeita…! Um mundo sem ética, sem moral, sem honra nem decência, onde os interesses abundam e a corrupção continua a ser feita em surdina.

Há muito poucos dias, ao ler uma página do Linkelin, aprendi uma palavra que desconhecia totalmente. Distopia…! Aliás, esta palavra fazia parte do título dessa mesma página : Brasil, uma Distopia democrática !  Uma crónica muito bem feita, escrita por um senhor chamado Walter Longo, descrevendo a vida na cidade Boa Vista, em Roraima, Brasil. Uma cidade a braços com o problema dos refugiados pobres da Venezuela, em confronto com Miami ( Brickell City ) com a procura de um lugar para viver, pelos refugiados ricos do Brasil…!

Mas, ainda por cá, com a história do Brexit que nos vai tornar a vida mais cara, com o aumento de impostos, para uma maior unidade da Europa ( ? ) e dos problemas mesmo a calhar, com as eleições na Itália, ficamos estarrecidos com as declarações infantis de Trump, aquele senhor que segura a roda do leme do mundo ocidentalizado, a sugerir que os professores passem a ter uma arma para defender as salas de aula. Fiquei a imaginar, um qualquer professor cowboy, a substituir a tradicional maçã ou flor sobre a secretária, por uma Winchester ou um revólver Smith, de cano curto…!

Perante todo este panorama alucinante, o que nos anima um pouco, são as imagens maravilhosas vindas da Coreia do Sul, que as televisões nos vão mostrando aos poucos. Felizmente, que o Mundo ainda vai tendo destas coisas…!

 

Um pensamento sobre “Os tempos que correm…!

Deixe um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s