UMA VISITA CULTURAL

O Clube de Pessoal da FIMA-LEVER-OLA organiza durante o ano várias visitas culturais, acompanhadas do Dr. Jorge Gradão, a exposições que merecem ser vistas e comentadas. A mais recente, na manhã de domingo 21 de Outubro, teve como  objectivo a exposição “Arte Portuguesa – Razões e Emoções” presente no Museu Nacional de Arte Contemporânea ao Chiado. A mostra, que cobre o período de meados do século XIX até aos anos 80 h, está dividida em 4 secções, a última das quais é dedicada a Carlos Relvas e ao seu pioneirismo na fotografia.                                                                                 Não vou escrever com detalhe sobre o que vi, mas referir apenas alguns pormenores que    me impressionaram mais :

1ª  A sala reservada à Secção II estava fechada. Falta de pessoal explicou alguém. ( ver 6 ª foto com o narrador em primeiro  plano ) .                                                                                                                                                                      2ª  A pintura de Antonio Dacosta, de 1941, que ele intitulou de “Episódio com cão ” ,  representando a indiferença de muitos países perante a carnificina em curso na 2ª guerra mundial ; confesso que fiquei triste por o autor ter escolhido o meu belo e seguro desporto da esgrima para ilustrar a morte em   combate  ! ( ver 4ª e 5*  fotos )

3º  A escultura de Hein Semke representando o profeta Jeremias, não por me causar um efeito estético superior, mas por me lembrar dos tempos em que aluno do Liceu Passos Manuel subia ao Chiado e tinha por vezes a oportunidade de ver passar o  Artista com a sua barba, as suas sandálias e o seu ar de estrangeiro ( ver foto da escultura )

4ª A tela de Joaquim Rodrigo de 1962, ilustrando o cerca da pide à Cantina da Cidade Universitária de Lisboa. Vêm-se os pides, a carro que lançava jactos de água e as carrinhas da pide desenhados com simplicidade mas muito compreensíveis ( ver 3ª foto )

5ª O quadro de Manuel Filipe de 1944, titulado “Os Segregados”  mostrando os que não contavam na sociedade portuguesa do tempo ( ver 2ª foto )

6ª Finalmente um grupo escultórico representando Adão e Eva, tendo ela na mão a famosa maçã e no rosto uma expressão de ingenuidade e de desejo. Nada de extraordinário. Mas então porque me impressionou este conjunto ? Porque de repente me acudiu ao espírito ( a mim que sou agnóstico ) o pensamento de que é sem dúvida mais romântico imaginar que somos descendentes dum par inicial, já com os nossos sentimentos de curiosidade pelo desconhecido, do que, de acordo com a teoria evolucionista, termos tido origem num átomo, numa proteína, ou num protozoário ( 1ª foto )

Vale a pena ver a exposição!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s