POEMAS DE HOJE E DE SEMPRE

No meio dos atropelos da pandemia, dos isolamentos, das angústias, dos temores, tudo isto recentemente entrecruzado com as barafundas americanas, apetece dizer, como num velho ditado português, que “É preciso ter muita saúde para aguentar tanta doença”. E no recolhimento a que somos obrigados assaltou-me a ideia de revisitar velhos poemas que, agora lidos, nos parecem atuais. Não houve critério na escolha, há uma infinidade de poemas por este mundo. Talvez valha a pena, de quando em quando, lê-los. Aqui vai.

Jacques Brell

Quand on n’a que l’amour
À s’offrir en partage
Au jour du grand voyage
Qu’est notre grande amour
Alors, sans avoir rien
Que la force d’aimer,
Nous aurons dans nos mains,
Amis, le monde entier!

Leonard Cohen

From the wars against disorder
From the sirens night and day
From the fires of the homeless
From the ashes of the gay
Democracy is coming to the USA

Sophia de Mello Breyner

Tive amigos que morriam, amigos que partiam
Outros quebravam o seu rosto contra o tempo.
Odiei o que era fácil
Procurei-me na luz, no mar, no vento.

 

Acham que vem a propósito? Não sei. Mas o meu pensamento, nestes últimos dias, esvoaçou até estes conceitos.

 

 

2 pensamentos sobre “POEMAS DE HOJE E DE SEMPRE

  1. Sempre bonitos, estas canções e os seus poemas ! E a poesia, é isso mesmo. Um balsamo…! .Um desejo de voar, contra os ventos, e os tempos que nos amarram, como nos conta Fernão Capelo Gaivota, no seu ” Vôo Solitário “.

    Gostar

Deixe um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s