A DEMOCRACIA ESTÁ A MORRER?

Vale a pena ler e meditar sobre os conteúdos da revista “Foreign Affairs”, na sua edição de maio/junho 2018, onde aborda , de forma muito abrangente, as questões relacionadas com a vitalidade da democracia em todo o mundo. E interroga: “A Democracia está a morrer?” E de forma desassombrada enuncia algumas das principais razões para a reconhecida regressão democrática no mundo: a centralização do poder executivo, a politização judiciária, os ataques à independência dos “media”, o uso do poder público em benefício próprio. Curiosa a consideração de um jornalista latino-americano ao dizer: “Já temos visto este filme antes, mas nunca em inglês”.

Juntam-se aos habituais articulistas desta revista quatro contributos de convidados particularmente experientes nas alargadas discussões sobre este tema, nos diferentes domínios da suas atividades. Começamos por YuenYuen Ang,  cientista política e professora na Universidade de Michigan. O seu artigo foca principalmente um paradoxo: “Poderá um país sem uma boa governação conseguir rapidamente um relevante crescimento económico?”  Ganhou um prémio em 2016 com o seu livro “Como escapou a China à Armadilha da Pobreza?”  e pergunta por quanto tempo conseguirá, uma  China cada vez mais rica,  resistir às pressões da democratização.

Segue-se o búlgaro Ivan Krastev (nascido no tempo da Bulgária regida pelo sistema comunista) , considerado atualmente uma autoridade na transição pós-comunista da Europa de leste. Sendo presentemente Presidente do Centro de Estratégias Liberais, em Sofia, discorre,  num artigo a que chama de “Revolução Iliberal da Europa de Leste”, que governos autocráticos como os da Hungria ou Polónia, e outros, dão-nos uma ideia como o autoritarismo pode entrar no ocidente.  Krastev deu, aliás, uma interessante entrevista no Diário de Notícias, na semana passada, onde expõe, com clareza, a naturalidade com que estes riscos podem percorrer a Europa.

Também Bill Gates nos dá pistas para anular as desiguldades no mundo e, dessa forma, manter viva uma democracia mais rigorosa e mais séria. Em 2008, 33 anos depois de criar a Microsoft, passou a dedicar todo o seu tempo à Fundação Bill & Melinda Gates que já distribuiu, desde 2000,  verbas da ordem dos 40 biliões de dólares. Esse dinheiro tem sido utilizado  numa vasta gama de programas de educação, desenvolvimento global e saúde pública. Gates explica que através da manipulação genética desenvolvida em modernas bases científicas se poderá ir criando a mentalidade do Bem e, dessa forma, transformar a luta global contra a pobreza e a doença.

O artigo de Caroline Bettinger-López é também um excelente contributo para este tema. Além de advogada de Direitos Humanos, Carolina foi , de 2015 a 2017, conselheira na Casa Branca para assuntos de violência contra as mulheres, dando agora aulas na Universidade de Direito de Miami. É defensora  dos movimentos ativistas globais e que, com esses processos, abertos e próximos das pessoas , se poderá ser otimista na defesa da democracia para o futuro.

IMG_0931

De acordo com Gideon Rose os maiores perigos para as lideranças democráticas são mais de natureza interna que externa. Os momentos, os meios e as oportunidades para transformar as tendências existem, estão lá. O que falta muitas vezes é a vontade política e a liderança.

E relembra, com algum humor e curiosidade, a pergunta de uma senhora a Benjamin Franklin à saída da Convenção Constitucional em 1787:  “Doutor, que temos afinal, uma república ou uma monarquia?.”   Franklin respondeu-lhe:   “Uma república, se a conseguirem manter.” Cerca de 230 anos depois  parece que as coisas não se alteraram muito.

2 pensamentos sobre “A DEMOCRACIA ESTÁ A MORRER?

  1. A nossa curta experiência de democracia, tem vindo a demonstrar que ela morre um pouco todos os dias, apesar de ela se renovar continuamente, pelas vozes mais sábias e conscientes dos que a entendem e a desejam. No entanto, vai-se criando um déficite, pela saturação dos ideais, nem sempre adaptáveis à personalidade e fragilidade intelectual do povo, sempre tão moldável em novas situações. Tenho ouvido de tudo, baseado na ignorância, no desespero das injustiças do dia a dia, e na cegueira partidária, num Parlamento nem sempre dignificante…! Raramente se fala da Constituição, como baluarte do respeito pela Nação e da dignidade do seu povo…!

    Gostar

  2. SOU UM OPTIMISTA. A DEMROCRACIA PREVALECERÁ
    EM 1940, quantos estados democráticos havia na Europa ? Poucos, que me lembre o Reino Unido., a Suécia e a Finlândia. Todos os outros países europeus ou eram ditaduras ou estavam sob o poder de ditaduras.
    E no entanto, com a intervenção dos EUA, do Canadá e outros, a Democracia venceu !

    Liked by 2 people

Deixe um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s